Leia não, flôzinha, leia não...



Adelaide Catarina…ô diacho de menina!
Véve com o livro na mão, e eu, que sô pai arretado, vivo lhe aconselhando: leia não, flôzinha, leia não!…
É que leitura demais só serve pa trazê ilusão.
Olhe só: num temo água, coberta e nem pão… e Adelaide Catarina qué vivê com o tar do livro na mão!
Cismô de andá todo dia, duas hora no lombo do burro, três hora na chalana e mais meia hora de pé. Sabe pa quê, seu moço? Pa í pa tar da escola, invés de plantar o café!
A peste da professora diz que Adelaide Catarina tem muita idéia boa no pensamento.
Pois eu digo que ela , pros irmão, só serve pa mau exemplo! Já pensô, seu moço, se os outros doze arresolve segui Adelaide Catarina pa escola?
Vixe! Nossa Senhora! O patrão me esfola!
Mas fazê o quê, se ela qué vivê de ilusão? Diz que vai sê letrada, que vai escrevê livro pa todo mundo tê na mão!
Ah! Meu Padim Padi Ciço… Pede o sinhô, ai de cima pa Adelaide Catarina: Leia não, flôzinha, leia não…

Nota da autora: Que algum dia, a Educação do nosso país, possa ser verdadeira fonte de esperança e mudança de realidades injustas e não mantenedora delas.

10 comentários:

Renata Marques disse...

Ainda bem que fez esse sorteio, assim conheci esse texto lindo escrito em 2008, quando ainda nem conhecia seu blog. Mulher de fibra essa Adelaide Catarina.

Claudia do Monte disse...

Nossa que difícil esse desafio..rsrs! Você sabe que nasceu pra isso não sabe flôzinha?! Tem muita idéia na cabeça, escreve aí que eu leio sim e gosto muito! Ano que vem quero encontrar você na Bienal do Livro aqui em Sampa, vou esperar na fila pelo meu autógrafo. No mais, boa sorte e fica com Deus!

Alessandra disse...

Oi Andréia!
Adorei o texto!!
Sabe que já me senti um pouco Adelaide Catarina?
às vezes a gente pode decepcionar alguém por um certo tempo,até provar que nossos sonhos valem a pena!Mas quando tudo acontece,nem lembram mais que os contrariamos algum dia.
Você escreve muito bem!
Sabe q estou sempre por aqui...
Parabéns e sucesso,sempre!
Bjos

Beatriz Oliveira disse...

Querida,
falar do seu talento é chover no molhado.
Esse seu texto me remete a uma realidade brasileira tão dura: a escolha entre a necessidade do trabalho e a instrução. Quantos pais brasileiros não pensaram (ou pensam) assim?
Eu desejo a Adelaide Catarina que ela consiga escrever o livro que tanto deseja e possa, talvez, tirar os irmãos da "falta de ilusão". =)

Fabi Leuck disse...

Andréa..estou encantada com o texto.Não são só palavras tem sentimento na História e realmente retrata a realidade do povo brasileiro..Me faz lembrar o povo sofrido do interior,e Adelaide Catarina uma menina que não se conforma com essa vida e através da leitura ela descobriu uma forma dela imaginar(ilusão) o que gostaria pra sua vida... Andréia,tu tens o dom de nos passar uma mensagem através da palavra,parabéns e sucesso pra vc..bjos no coração!

Lauisa Sousa disse...

Afff pensei que nunca iria conseguir deixar meu comentário kkkk duas vezes vim aqui li e na hora H filhote mais velho me tirava do PC (ninguém merece) Mas acho que foi melhor assim nada como elogiar minha poetiza preferida no dia D que data mais correta para fazer..Déia adorei o texto..me fez lembrar de muita gente daqui do meu estado que padecem mas nunca perdem a esperança ao APRENDER..lindo texto..fiquei muito emocionada..parabéns minha preciosa..pronto já deixei um pouquinho da minha arte aqui e vou divulgar no bloguinho tb...beijossss mil

Leninha disse...

Viu no que deu lê, florzinha? Hj ocê é letrada e vive de ilusão, na inquietude das batidas de seu coração. Amei!! Bjussssss

MARILENE disse...

Meu pai não queia que estudássemos. Dizia que mulheres não precisavam disso, pois se casavam e não exerciam nenhuma profissão. Minha mãe, que viveu o mesmo problema, reconhecia o valor do conhecimento e sempre nos estimulou. Assim, todas as 4 filha fizeram o curso normal e, depois, seguiram seu caminho. Mas meu pai, em cada formatura, era só orgulho. E graças a Deus, minha mãe pensava diferente. Conseguimos a independência financeira, indispensável para se fazer opções na vida.

Bjs.

raquel pedruzzi disse...

Oi Andréia!
Vim do blog da Lauisa (KK Art's) que deixou um post convidando as amigas para participarem do seu sorteio e eu já atendi logo e cá estou!!!
Parabéns pelo belo texto, espelho sofrido do que passa o povo que nada tem de alegrias, só trabalho e sobrevivência como obrigação! E que Deus e a força de vontade ajudem a nossa heroína, Adelaide Catarina, a concluir os estudos e ter uma nova visão de mundo e de oportunidades!!!!!!!!!!!
Adorei a caneca personalizada que você mandou fazer para o sorteio da sua Palavra Inquieta, vou adorar se for a sortuda da vez, rsrs...
Vou aproveitar a visitinha e te convidar também para participar do sorteio de niver que estou fazendo lá no meu cantinho! Passa lá para ver o presente que escolhi para a ganhadora e tenho certeza que você vai gostar!!! Vou ficar mega feliz caso resolva se inscrever no meu sorteio!
Bjsss e uma ótima semana!

*..*gi arteirinha*..* disse...

Oi amada!
Vim conhecer seu blog e participar do sorteio dessa caneca fofa. Foi através do blog da minha amiga do coração Lauisa que recebi esse convite, lindo! E olha...já me tornei seguidora. Muito bom!!! Como a La diz: preciosa!
Eu deixei escapar entre os dedos a oportunidade de estudar mais. Mãããs meu coração se enche de alegria, porque aqui em casa leitura é essencial. Minha filha Livia de 4 anos troca brinquedo por livros, ela ama!!! E isso não tem preço!
O texto é lindo e nos incentiva a querer viver de sonhos...e querer torná-los realidade.
Parabéns por esse dom de nos encantar e emocionar com suas poesias.

Um beijo!

Postar um comentário

Seu comentário enriquece e alimenta este blog. Sê bem-vindo, mas não se esqueça que "gentileza gera gentileza". A casa é sua! Bjs Inquietos pra você!